Ouça agora na Rádio

N Notícia

Após reportagem, médico emite nota sobre denúncia do MPE que apura morte de recém nascido em Juína

FOTO: Juína News

Após reportagem, médico emite nota sobre denúncia do MPE que apura morte de recém nascido em Juína

Nesta quinta-feira, dia 28, foi divulgada com exclusividade pelo portal de notícias Juína News uma reportagem que apura a morte de um recém nascido na cidade de Juína ocorrida em 2017, onde gerou uma denúncia do Ministério Público Estadual, através do Promotor de Justiça Civil, Marcelo Linhares, em desfavor do médico, Fábio Adriano Coelho Gonçalves para apurar uma suposta negligência. Após tomar conhecimento da notícia e da ampla repercussão do caso, o próprio médico citado na matéria entrou em contato por telefone com a reportagem e por estar em viagem enviou uma nota esclarecendo os fatos.

Confira a nota na íntegra:

Vim através deste esclarecer o seguinte fato. A paciente gestante, referida pelo membro do MPE deu entrada no Hospital Municipal de Juína com prematuridade gestacional, tendo sido internada para acompanhamento médico necessário. Durante o período de internação, a mesma apresentou piora das dores de contrações, sendo medicada e foi solicitado vaga de UTI neonatal, por se tratar de um feto prematuro extremo. Sabemos que em nossa cidade não possui UTI neonatal. Na sequência dos acontecimentos foi constatado batimentos cardíacos- fetais alterados, justificando tecnicamente a interrupção imediata da gestação, através  de uma cesariana de urgência, que foi realizada com êxito.  O  promotor de justiça foi coerente ao remeter o prontuário médico para o CRM e pedir a investigação deste caso pelo órgão competente. Sendo assim recebi esta semana um ofício atestando a correição da minha participação neste caso, tendo o CRM, concluído que não houve negligência e nem erro médico, bem com que o acompanhamento da paciente durante a internação ocorreu de forma tecnicamente correta. Desde já agradeço e estou à disposição para quaisquer esclarecimentos sobre o caso, dentro dos limites permitidos pelo sigilo profissional.

Att. DR. Fábio Adriano Coelho Gonçalves.

FONTE: Juína News
Link Notícia