Ouça agora na Rádio

N Notícia

8 Casos confirmados de malária em Juína

FOTO: Ilustrativa

8 Casos confirmados de malária em Juína

O principal sintoma da malária, que a diferencia da dengue, é a febre intermitente.

Em 7 dias, a vigilância em saúde do município de Juína já identificou 8 casos de malária na zona rural.

Segundo informações os quadros se concentram na Gleba Iracema III e todos os preventivos já foram tomados, inclusive a contenção do mosquito vetor da doença, em uma raio de 2 km do local de ocorrência dos infectados.

Segundo Agata Lozano, coordenadora da vigilância em Saúde, todos os contaminados por malária estão recebendo os devidos cuidados, tanto para abreviar a cura quanto para impedir a disseminação da doença na região central da cidade.

Apesar do trabalho de prevenção, a vigilância em saúde orienta os cidadãos que trabalham em zonas de mata que se atentem a possíveis sintomas da malária, parecidos com os sintomas da dengue, diferindo, no entanto, na febre, que é intermitente.

A malária, caso não seja tratada, pode levar o paciente a morte. Além do mais, após contrair a doença, na região amazônica, o infectado somente poderá doar sangue, após ter decorrido um ano de seu tratamento.

Nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e partes da região centro-oeste, não abrangidas pelo bioma da Amazônia, o cidadão infectado com malária, fica isento de doar sangue, mesmo decorrido um ano de sua cura.

É importante frisar, caso o cidadão apresente sintomas da malária, como febre intermitente, procure a unidade de saúde mais perto de sua residência.

Desde o ano de 2013 a doença era considerada como extinta no município. Os casos recentes são provenientes de um paciente contaminado do estado do Pará, que em visita a região rural de Juína, acabou disseminado a doença.

Segundo a vigilância em saúde, o foco da doença já está sobre controle e nenhum novo caso foi identificado nestes últimos dias.

FONTE: Maurilio Junior / Metro FM
Link Notícia